Archive for junho \30\UTC 2008|Monthly archive page

Mostra discute a dança (in) dependente de São Paulo

a dança que fervilha na capital paulista – palestras, workshops e espetáculos

na abertura da mostra, a estréia de “Artista da Fome”, da Cia. Borelli

Dia 10 de julho terá início a “Mostra (in) dependente de dança?”, idealizada e realizada pela Cia. Borelli e o grupo Teatro de Paisagem.  Até 10 de agosto, seis companhias paulistanas ocuparão o Espaço Maquinaria, no bairro da Bela Vista, para mostrar seus últimos trabalhos de dança: Cia. Borelli de Dança, Solos e Reverberações, grupo IN VITRO, Cia. Nósláemcasa, Coletivo de Artistas Intermitentes Abismo de Sonhos e Cia. Fragmento são os grupos que formam a programação da “Mostra (in) dependente de Dança?”.

Grafada com um ponto de interrogação no final, a própria nomenclatura da mostra diz a que veio: questionar a independência dos grupos de dança de São Paulo. Segundo Sandro Borelli, um dos idealizadores da mostra, “fazer arte precisa ser um ato político e reflexivo, sempre, e o fato dos grupos participantes da mostra serem fomentados não anula a discussão sobre a ‘independência’ (ou não) do fazer artístico”.

Na abertura da mostra, a Cia. Borelli fará a estréia do seu mais novo espetáculo baseado em Franz Kafka: Artista da Fome. Publicado em 1922, o livro do autor austro-húngaro trata de um arquétipo de si próprio: um indivíduo marginalizado pela sociedade. Kafka observou, no começo do século passado, um mundo muito próximo ao nosso, em que o artista está exposto, sempre, como numa jaula, fazendo de si espectador e espetáculo.

Faz parte da programação da mostra a discussão de políticas públicas para cultura – especificamente teatro e dança – juntamente com representantes do poder público. Todas as esferas políticas que envolvem a cultura (secretarias municipal e estadual e Funarte, no âmbito federal) foram convidadas a debater o momento atual do país. Workshop, debate de processo de criação, demonstração de trabalho e uma exposição de fotos e vídeos exibida antes de cada espetáculo completam a programação que se encerra em 10 de agosto.

Programação

Espetáculos

10 a 13 de julho – estréia de “Artista da Fome”, com a Cia. Borelli de Dança.

(Projeto Contemplado pelo PAC criação para Dança 2008).

Quinta a Sábado, 21h e Domingo, 20h.

Dur: 60 min Recom: 14 anos

· 16 a 18 de julho – “Solos e Reverberações”. Artistas criadores e intérpretes: Alan Scherk, Eduardo Fukushima, Júlia Rocha, Manuela Afonso, Marcelo Moraes, Samanta Barros e Suzana Bayona. (Sete solos iniciados no projeto de pesquisa prática “10 solos e reverberações” da Key Zetta e Cia., contemplado com o prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna).

Quarta a Sexta, 21h

16 de julho, quarta-feira:

O Cego e o Aleijado, de Alan Scherk, dur: 25 min, recom: livre

Ecologias, Suzana Bayona, dur: 15 min, recom: livre

Dur total: 40 min

17 de julho, quinta-feira:

O principio da incerteza, Samanta Barros, dur: 20 min, recom: 14 anos

Tentativa de salvar o mundo 1, Júlia Rocha, dur: 30 min, recom: 14 anos

Dur total: 50 min

18 de julho, sexta-feira:

Um conto de um ponto de tempo, Manuela Afonso, dur: 20 min, recom: livre

Entre Contenções, Eduardo Fukushima, dur: 17 min, recom: 12 anos

Uma história encerrada no mundo, Marcelo Moraes, dur: 30 min, recom: 12 anos

Dur total: 62 min

·        19 e 20 de julho – “Três Olhares sobre a Dança”, com o grupo IN VITRO.

(Projeto Contemplado pelo PAC circulação para Dança 2008).

Sábado, 21h e Domingo, 20h.

Dur: 55 min, recom: livre

·        24 a 27 de julho – “Estudo para UMA DANÇA”, com a Cia. Nósláemcasa.

(Projeto Contemplado pelo PAC circulação para Dança 2008).

Quinta a Sábado, 21h e Domingo, 20h.

Dur: 40 min, recom: livre

·        31 de julho e 01 de agosto – “Memorial do Quarto Escuro”, com o Coletivo de Artistas Intermitente Abismo de Sonhos.

(Projeto Contemplado pelo PAC criação para Dança 2008).

Quinta e Sexta, 21h.

Dur: 40 min, recom: 16 anos

·        02 e 03 de agosto – “Our love is like the flowers, the rain, the sea and the hours”, com o Coletivo de Artistas Intermitente Abismo de Sonhos.

Sábado, 21h e Domingo, 20h.

Dur: 45 min, recom: 16 anos

·        07 a 10 de agosto “Beije Minha Alma”, com a Cia. Fragmento.

(Espetáculo criado originalmente para o 12° Cultura Inglesa Festival).

Quinta a Sábado, 21h e Domingo, 20h

Dur: 50 min, recom: 16 anos

Workshop e demonstração de trabalho

(Atividades gratuitas, inscrição antecipada através do e-mail mostraindependentededanca@gmail.com)

Dia 12 de julho das 14 às 17h – workshop com a Cia. Borelli de Dança. Gratuito – 15 vagas. (Obs: é necessário enviar carta de intenção)

Dia 03 de agosto das 14 às 16h – demonstração de trabalho do Coletivo de Artistas Intermitente Abismo de Sonhos.

Debate com as companhias

(O debate com os grupos ocorre no termino da apresentação)

Dia 17 de julho (Quinta-Feira) com o grupo Solos e Reverberações e Key Zetta e Cia.

Dia 20 de julho (Domingo) com o Grupo IN VITRO

Dia 27 de julho (Domingo) com a Cia. Nósláemcasa

Dia 10 de Agosto (Domingo) com a Cia. Fragmento

Debate sobre Políticas Públicas (Entrada Franca)

Dia 23 de julho (Quarta-Feira) às 20h “Políticas Públicas para Cultura”.

Debate entre os movimentos organizados de teatro e dança com representantes da Cooperativa Paulista de Dança, Mobilização de dança, Grupo Redemoinho de Teatro, Roda de Fomento e Movimento de Teatro de rua.

Dia 05 de Agosto (Quarta-Feira) às 20h “Políticas Públicas para a Dança”

Mediador/Provocador Convidado: Marcos Moraes

Debatedores convidados: Carmen Gomide (Presidente da Cooperativa Paulista de Dança), João Sayad (Secretario de Cultura do estado de São Paulo) e Celso Frateschi (Presidente da Funarte).

Serviço

Espaço Maquinaria

Endereço: Rua 13 de Maio, 240 – Bela vista – São Paulo/SP

Telefone: 011 3259-7580

Lotação: 80 lugares

Horário de bilheteria: uma hora antes

Ingresso: R$10

Aceita cheque

Anúncios

Maratona de Gossip Girl

No dia 5 de julho, sábado, a partir das 13h, a Warner Channel apresenta uma super maratona pra quem não viu, ou deseja rever, os últimos momentos vividos pelos jovens adolescentes da luxuosa Upper East Side de Manhattan, em Gossip Girl.

Serão os 6 últimos episódios da 1ª Temporada da série, que teve seu desfecho exibido pela Warner Channel na primeira semana de junho. Confira as sinopses:

A THIN LINE BETWEEN CHUCK AND NATE

A misteriosa responsável por propagar as melhores fofocas e os escândalos mais bombásticos da Upper East Side comunica a todos de sua lista que Serena foi vista comprando um teste de gravidez. A notícia esquenta os celulares mais caros e põe veneno nas conversas dos grupinhos adolescentes de toda Manhattan.   

THE BLAIR BITCH PROJECT

Após ser destronada do posto de Quenn Bee, abalada, Blair volta ao colégio com o apoio de sua melhor amiga, Serena, que, ao mesmo tempo, enfrenta o desafio de se ajustar a sua nova vida. O desejo de Jenny em se transformar em uma garota popular chega a um ponto perigoso quando decide apelar para a ilegalidade.

DESPERATELY SEEKING SERENA

O mundo de Serena se complica quando sua ex-companheira e aliada, Georgina Sparks, retorna a Manhattan para causar-lhe problemas e desenterrar seu passado. Quando Dan percebe a preocupação de Serena, conclui que seu irmão pode estar envolvido. Enquanto isso, Nate vive um romance com Vanessa e Jenny conhece um novo garoto, Asher Hornsby, que, por seus atributos, poderá ajudá-la em seu plano de ser popular.  Blair começa a pensar em como sabotar a sua mais nova rival, Nelly Yuki.

ALL ABOUT MY BROTHER

Georgina diz a Serena que está preparada para espalhar informações comprometedoras sobre seu passado. Mas ninguém está preparado para o que Georgina fará depois. A guerra, entre Blair e Jenny para alcançar a popularidade, está cada vez mais acirrada, principalmente depois das fofocas enviadas pela misteriosa informante. Dan conta a Jenny que viu seu namorado com outra, mas ela não dá ouvidos ao irmão. Enquanto isso, um dos jovens da Upper East Side se revelará homossexual.

WOMAN ON THE VERGE

Georgina revela a razão pela qual Serena desapareceu de Manhattan para, supostamente, estudar em outro colégio. Blair, Nate e Chuck põem suas diferenças de lado para ajudar a amiga. Serena fica completamente envergonhada em dividir a verdade com Dan, deixando-lhe margem para pensar o pior sobre ela.

MUCH ‘I DO’ ABOUT NOTHING

Quando a vida e a reputação de Serena estão em perigo, Balir decide tomar frente e dar uma lição em Georgina Sparks. Já Lily se prepara para sua festa, que promete ser o evento social do ano, mas não consegue tirar Rufus do pensamento. E Serena decide contar toda a verdade para Dan.

Nokia XpressMusic lança concurso musical inédito na internet promovendo democracia de estilos

Concurso Nokia XpressBands, realizado em parceria com o MySpace, promete eleger o mais novo fenômeno musical da internet

São Paulo, 30 de junho de 2008 – Nesta terça-feira, 1 de julho, será lançado o concurso Nokia XpressBands, em parceria inédita com a rede social Myspace. A iniciativa contará com uma comunidade exclusiva no portal para eleger o novo fenômeno musical brasileiro. O vencedor ganhará a gravação de um videoclipe, além de abrir uma edição do Secret Show. A idéia, surgida para suportar a campanha “Todo poder à música” e o portfólio de produtos Nokia XpressMusic, é fazer com que os jovens possam se expressar, além de ter a oportunidade de brilhar no cenário da música nacional e internacional.

O concurso Nokia XpressBands tem início com a inscrição de projetos, bandas e artistas mediante criação de um perfil cadastrado no Myspace onde poderão disponibilizar uma música para concorrer. O público cadastrado na comunidade poderá votar em seus artistas prediletos, que também serão selecionados por um júri formado por músicos, produtores e jornalistas, fazendo o papel de consultores e dando dicas e depoimentos sobre suas experiências no universo musical. A partir do dia 25 de julho serão anunciados dois finalistas (um deles escolhido pelo público e outro pelo júri) do concurso a cada semana, até 22 de agosto, somando seis artistas que vão concorrer à grande final.

Em seguida, os finalistas vão passar por um processo de pré-produção em São Paulo durante cinco dias, que vai contar com hospedagem, consultoria de produtores musicais, gravação da música concorrente em estúdio, transformação fashion e ensaio fotográfico para a capa do single. Tudo acompanhado por uma equipe de TV que vai registrar, em formato de reality show, toda a trajetória dos artistas e transmití-los em tempo real na página do Nokia XpressBands no Myspace, além de pílulas exibidas pelos canais de TV a cabo e cobertura semanal da MTV por meio do programa Scrap MTV.

Depois de toda essa transformação musical, os seis concorrentes voltarão ao páreo do Nokia XpressBands para votação da comunidade no Myspace, onde as músicas regravadas passarão por uma segunda avaliação do público e do júri até 6 de outubro, quando serão escolhidos dois finalistas. Eles terão a oportunidade de passar por uma reformulação visual, incluindo cabeleireiro, personal stylist e ensaio para a realização de um pocket-show aberto ao público, ainda em outubro.

Na semana seguinte, o público e o júri elegerão o artista ou a banda vencedora do concurso Nokia XpressBands, que vai ganhar a gravação do videoclipe da música vencedora, além de abrir o último Secret Show do ano, apresentado pelo Myspace e pela Nokia.

A comunidade Nokia XpressBands, no Myspace, não vai se deter apenas a eleger o novo talento musical do Brasil. Qualquer pessoa cadastrada poderá ouvir os artistas, votar e ainda colaborar com o conteúdo da rede social, por meio de sugestões e comentários sobre música e sobre os concorrentes.

Os artistas selecionados durante todo o processo vão interagir com a comunidade no Myspace, disponibilizar vídeos, além de alimentar um Twitter para que o público e o júri possam acompanhar sua trajetória.

Nokia XpressMusic

Nokia XpressMusic promove uma série de oportunidades de compartilhamento para que o público possa apresentar seu ponto-de-vista em relação à música, principalmente por meio dos novos aparelhos celulares da linha. É o poder que esse fenômeno artístico, dos mais democráticos, tem de conectar pessoas e ultrapassar barreiras.

Seguindo esse conceito, Nokia XpressMusic tornou-se um aplicativo inédito para o Facebook, cujos perfis poderão ser customizados com o conteúdo visual do projeto. Os usuários também terão acesso a uma página de notícias e música, com áudios em streaming para degustação. Enquanto isso, Nokia XpressMusic oferece um aplicativo no Facebook que, a cada convite feito e aceito dão direito ao download de músicas de uma lista de 20 mil disponibilizadas pela Nokia, gratuitamente.

Além disso, por meio do concurso Nokia XpressBands, a empresa firma parceria com o Myspace para a realização de todos os Secret Shows de 2008. Além de contar com a Universal Music, a MTV, o Multishow, Sony, Warner Channel e outros parceiros para a viabilização de seus projetos da plataforma de música, que também apresenta as festas do projeto Nokia Trends Mob Jam, entre julho e novembro, e o grande evento, Nokia Trends, em 29 de novembro.

O portfólio de produtos Nokia XpressMusic surgiu em 2007 e rendeu à companhia a liderança no segmento atingindo a marca de aproximadamente 146 milhões de aparelhos vendidos com os recursos de música. Neste ano, a Nokia acaba de lançar os aparelhos Nokia 5310 XpressMusic e Nokia 5610 XpressMusic que, além de design inovador, teclas dedicadas de música e compatibilidade com diversos formatos de arquivos de áudio, trazem equalizadores que proporcionam qualidade de som superior e diferenciada.

Enciclopédia dos Monstros

Lançamento da Ediouro explora o assustador universo dos monstros escrito por Gonçalo Junior

A partir de agora os monstros deixaram de viver exclusivamente nos pesadelos das crianças e em filmes de terror. Eles ganham as páginas do novo lançamento da Ediouro, a Enciclopédia dos Monstros, de Gonçalo Junior.

O resultado de muita pesquisa e algumas entrevistas é esta enciclopédia com 304 páginas sobre o mundo sombrio, assustador e ao mesmo tempo divertido que envolve esses seres monstruosos.

Quem acredita que monstros são apenas aquelas criaturas feias e malvadas dos filmes de terror, vai se surpreender com o conteúdo deste livro. A Enciclopédia dos Monstros traça o perfil dos mais diversos tipos de monstros, desde os que se enquadram perfeitamente nesta idéia tradicional como Frankenstein e Drácula, até os simpáticos Shrek e Gasparzinho. Inclui ainda monstros heróis como Hulk e Fera, dos X-men, assassinos como Jason, da interminável série Sexta-feira 13, folclóricos brasileiros como o Curupira e a Cuca, até mesmo o recente Chupa-Cabra, entre outros.

Já que os monstros surgiram em diferentes épocas, contextos e lugares, o autor optou por dividir o livro em 8 capítulos, como categorias: monstros do céu e do inferno, literatura de monstros, monstros das artes, monstros dos quadrinhos, monstros do cinema, monstros da TV e monstros do Rock.

Gonçalo Junior convida o leitor a mergulhar no mundo desses personagens sinistros, que na infância costumavam causar pavor e agora ganham um novo significado nas páginas da Enciclopédia dos Monstros, uma mistura de saudosismo e diversão.

Gonçalo Junior cresceu na companhia de fantasmas. Perto da casa de seu avô, numa fazenda secular nos confins da Bahia, onde ia passar férias, costuma-se ouvir o choro angustiante de uma bela escrava que foi torturada e mutilada até a morte há mais de cem anos por causa do ciúme de sua dona. É assim toda Sexta-feira Santa nas ruínas de um antigo engenho. Mesmo com medo de assombrações, refugiou-se desde criança nos gibis de terror e de super-heróis. Depois, descobriu o cinema e a literatura de horror. Nunca mais largou a companhia dessas criaturas, que considera principalmente divertidas.

Autor de doze livros, entre eles A guerra dos gibis (Companhia das Letras), País da TV (Conrad), Homem-Abril e Tentação à italiana (Opera Graphica) e Claustrofobia (Devir), Gonçalo Junior também organizou outros dez volumes de autores diversos e participou de duas coletâneas sobre TV e cinema.

Título: Enciclopédia dos Monstros
Autor: Gonçalo Junior
Formato: 20,8 x 23
Número de páginas: 304
Preço: 59,90

New York Ska-Jazz Ensemble : De 26 a 30 de Junho no Brasil : Ingressos à venda

Entre 26 e 30 de Junho, pela primeira vez no Brasil, o grupo que reinventou a fusão do ska jamaicano com o jazz contemporâneo.
QUINTA : 26 de JUNHO – 21h00
Era Só O Que Faltava
República Argentina, 1344 – Água Verde
Curitiba/PR – (41) 3342-0826
Ingressos de R$ 25,00 (meia-entrada e 100 primeiros antecipados) a R$ 50,00 (inteira)
Pontos de Venda
Drumshop (Des. Westphalen, 486 – Centro)
Bali Hai (XV de Novembro, 85 – Loja A – Centro)
Fnac Barigui, Teatro Regina Vogue (Shop. Estação), Ticketcenter (Shop. Omar) e
http://www.ingressorapido.com.br
SEXTA : 27 de JUNHO – 22h00
Inferno Club
Augusta, 501 – Consolação
São Paulo/SP – (11) 3120-4140

Ingressos de R$ 40,00 (meia-entrada e 100 primeiros antecipados) a R$ 80,00 (inteira)
Pontos de venda
Colex (24 de Maio, 116 – Loja 33 – Centro)
Estrondo (24 de Maio, 62 – Loja 342 – Centro)
Trezeta Musik (Augusta, 2203 – Loja 7 – Jardins)
Vendas por email nysje@radiolarecords.com.br
Pontos de venda especiais nas festas e shows de ska/reggae/dub da cidade.
Consulte http://www.radiolarecords.com.br

DOMINGO : 28 de JUNHO – 18h00
Teatro Odisséia
Av. Mem de Sá, 66 – Lapa
Rio de Janeiro/RJ – (21) 2266-1014

Ingressos de R$ 25,00 (meia-entrada e 100 primeiros antecipados) a R$ 50,00 (inteira)
Pontos de venda
La Cucaracha (Teixeira de Melo, 31H – Arpoador/Ipanema)
Áudio Rebel (Viscode de Silva, 55 – Botafogo)
Baratos da Ribeiro (Barata Ribeiro, 354D – Copacabana)
Livraria Berinjela (Rio Branco, 185 – Loja 10 – Subsolo – Centro)
Vendas pela internet http://www.punkshop.com.br

SEGUNDA : 30 de JUNHO – 21h00
Bar do Calaf – Criolina
Setor Bancário Sul – Edifício Number One- Térreo
Brasília/DF – (61) 3325-7408

Ingressos a partir de R$ 20,00
http://www.criolina.com.br
http://www.myspace.com/festacriolina

Mostra de Robert Bresson em SP

ROBERT BRESSON (1901-1999) é considerado um dos maiores cineastas franceses do século XX. Graduado em artes plásticas e filosofia, Bresson tentou carreira como pintor antes de se converter ao cinema. Seu primeiro filme foi o média metragem Les Affaires publiques (1934). No início da Segunda Guerra Mundial, Robert Bresson foi enviado como prisioneiro de guerra a um campo de concentração alemão, onde ficou preso por mais de um ano. Dois anos depois, deu início à produção de uma série de longas-metragens que evidenciam sua inclinação pela temática religiosa e sua opção por um estilo de cinema avesso a psicologismo e excessos, em que os atores (quase sempre amadores) são “modelos” que servem à “escrita da imagem”. Robert Bresson é, com frequência, associado ao jansenismo, doutrina criada no século XVII pelo teólogo holandês Cornelius Jansen, que prega um extremo rigor moral. Em 1975, Bresson publicou o clássico Notas Sobre o Cinematógrafo, uma coletânea de anotações e aforismos onde o diretor expõe sua realização cinematográfica.

CINEMATECA BRASILEIRA

Largo Senador Raul Cardoso, 207

próxima ao Metrô Vila Mariana

Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

http://www.cinemateca.gov.br

Ingressos:  R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada)

Estudantes do Ensino Fundamental e Médio de Escolas Públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação da carteirinha.

PROGRAMAÇÃO

01.07 I TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

21h20

Mouchette, a virgem possuída

02.07 I QUARTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

18h00

O processo de Joana D’arc

21h30

A grande testemunha

03.07 I QUINTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

18h00

O batedor de carteiras

19h40

Mouchette, a virgem possuída

04.07 I SEXTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

18h00

A grande testemunha

19h50

O processo de Joana D’arc

05.07 I S?BADO

SALA CINEMATECA PETROBRAS

17h20

Mouchette, a virgem possuída

06.07 I DOMINGO

SALA CINEMATECA PETROBRAS

16h30

A grande testemunha

18h30

O batedor de carteiras

20h30

O processo de Joana D’arc

FICHAS TÉCNICAS E SINOPSES

O batedor de carteiras (Pickpocket), de Robert Bresson

França, 1959, 35mm, pb, 75? | Legendas em português

Jean Pelegri, Martin Lassale, Pierre Etaix, Pierre Lemarie

Baseado em Crime e castigo, de Fiódor Dostoiévski, o filme é considerado um dos mais importantes da história do cinema francês de um jovem batedor de carteiras que encontra nesta atividade criminosa uma verdadeira forma de express?o.

A grande testemunha (Au hasard Balthazar), de Robert Bresson

França, 1966, 35mm, pb, 90′ | Legendas em português

Anne Wiazemsky, F. Lafarge, P. Klossowski, Walter Green

A triste trajetória do jumento Balthazar, desde sua infância idílica, cercado por crianças que o adoravam, até a idade adulta, quando é tiranizado e tratado como animal de carga. Balthazar só vai encontrar um pouco de paz no dia em que um velho moleiro passa a acreditar ser o burro a reincarnação de um santo.

Mouchette, a virgem possuída (Mouchette), de Robert Bresson

Fran?a, 1967, 35mm, pb, 87′ | Legendas em portugu?s

J.C. Guilbert, Maria Cardinal, Nadine Nortier, Paul Hebert.

História de uma menina do campo violentada por um caçador é o ponto de partida para o diretor colocar em evidência, de maneira implacável, a miséria e a crueldade humanas. “Escolhi [filmar] La nouvelle histoire de Mouchette porque não encontrei no livro nem psicologia, nem análise”, disse certa vez Robert Bresson.

O processo de Joana d’Arc (Le procés de Jeanne d’Arc), de Robert Bresson

França, 1962, 35mm, pb, 65′ | Legendas em português

Florence Delay, Jean-Claude Fourneau, Roger Honorat, Marc Jacquier

Bresson reconstitui, com seu rigor característico, a prisã?o, o julgamento e a execução de Joana D’Arc, baseando-se exclusivamente em documentos históricos. Ao lado de A Paixão de Joana D’Arc, de Dreyer, esta é a mais genial e fascinante versão cinematográfica do martírio dessa importante figura da história da humanidade.

Karin Lambrecht e Marcelo Silveira expõem em SP

A artista gaúcha Karin Lambrecht (Porto Alegre, 1957) apresenta na galeria Nara Roesler  uma composição pictórica em homenagem a Albert Camus, registrando o dia em que o autor de O Estrangeiro esteve em Porto Alegre: 9 de agosto de 1949. Suporte denominado pela artista como “anotações de pintura e desenho”, a obra inédita constrói por meio de vários planos a atmosfera real de um pequeno quarto de dormir e coloca em suspensão a obra literária do consagrado escritor. Além deste trabalho, serão apresentados quatro telas e cinco desenhos recentes.

Com uma cruz, signo recorrente na obra de Karin, rebatida no chão, com um colchão e uma mesa no centro, além de luz e projeção, a artista revisita, 50 anos depois, a estada de Albert Camus na capital gaúcha. “Ela mistura a existência real do escritor com o sentido existencial de sua obra evocando o céu cúmplice do ato de Meursault (O Estrangeiro) ou ainda o da infância do artista na distante Argélia”, escreve Paulo Reis, brasileiro radicado em Portugal, professor de História da Arte da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto, em Portugal. A cruz no trabalho de Lambrecht, como aponta o crítico Agnaldo Farias, além de signo da cristandade, é o gesto que fazemos da testa para o tronco, de um ombro para o outro, como a demarcação de um território, a afirmação de um lugar onde se está.

Neste trabalho 9 de agosto de 1949 – Albert Camus há uma profusão de matérias em azul – cor retomada por Karin, trabalhada intensamente até 1990, quando atuava na galeria Subdistrito –, como o linho e o cetim , além de outros materiais em azul cobalto.  Segundo Karin, a obra é como um agregado de planos de uma pintura não pintada. “Numa equação: pintura é corpo e luz = matéria + luz”. Karin retira daí a sua chave sobre a sobrevivência da pintura: “Enquanto houver luz, há pintura, enquanto se olhar para a luz, se olha para a cor”, declara.

Karin Lambrecht é egressa da geração 80, quando participou da famosa Como vai você, Geração 80?, realizada no Parque Lage, Rio de Janeiro, em 1984. Desde então, realiza individuais e participa de coletivas, como Bienal Brasil Século XX, Fundação Bienal de São Paulo (1994), e Bienais Internacionais de São Paulo (1985 e 1987). Entre as mostras mais recentes destacam-se: em 2005, Lágrimas, Mosteiro de Alcobaça, Portugal, Dor, Forma Beleza, Estação Pinacoteca, São Paulo e 5ª Bienal do Mercosul – VETOR: A Persistência da Pintura – Armazéns do Cais do Porto, Porto Alegre; em 2006, Manobras Radicais, Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo; em 2007, Mulheres Artistas – olhares contemporâneos, Museu de Arte Contemporânea, Universidade de São Paulo, Ibirapuera, SP, Anos 70 – Arte como Questão e 80/ 90 Modernos Pós-Modernos etc, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo.

Marcelo Silveira (Gravatá, PE,1962) apresenta a série Arquitetura de Interior composta de 12 peças em madeira e vidro e 12 livros. Com estes trabalhos inéditos ele sublinha mais uma vez o ambíguo significado dos objetos. O artista questiona a intenção daquelas peças colocadas em cima de mesas, ao lado de sofás, ou mesmo nas estantes, apontando como a matéria pode conter também a expressão do vazio.

Esta série é composta de peças que não foram feitas para serem manipuladas. As obras em madeira encapsuladas em vidro – que confere ainda maior profilaxia estética aos objetos – foram denominadas ironicamente de Chocolate, Cuscuz, Rolha etc. O mesmo se dá com os livros, feitos com capa de couro e folhas de papel de presente que, parafusados, não podem ser abertos, existem para ser apreciados como pintura. Marcelo Silveira mais uma vez inverte a ordem das “coisas” para apontar o pensamento que atravessa a sua produção: ausência e presença. Por que para as coisas existirem elas precisam estar?, pergunta Marcelo.

“A maneira como articula matéria-prima e procedimento, representação e achado, imagem e  objeto, narrativa e forma, têm sido a principal marca da obra de Silveira. Assim, desde trabalhos do início desta década, duplicar, seriar e repetir são procedimentos para o artista avançar na sua poética de, ao mesmo tempo, aproximar-se do mundo e negá-lo”, escreve o crítico Rodrigo Moura.

Marcelo Silveira é graduado em Educação Artística pela Universidade Federal de Recife. Recentemente, entre as mostra individuais destacam-se: em 2006, Galeria Nara Roesler; em 2005, Centro Cultural Maria Antônia, SP; e, em 2004, Pinacoteca Universitária da U.F.AL, Maceió-AL; Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM, Recife-PE; e Escola Guignard, BH-MG. Entre as coletivas estão: em 2008, Panorama da Arte Brasileira, Alcalá 31, Madri, Espanha; em 2007, 4ª Bienal de Valência, Centro del Carmen – Museo de Bellas Artes de Valencia, Espanha; e Panorama da Arte Brasileira, MAM – Museu de Arte Moderna, São Paulo, SP; em 2006, Geração da Virada 10 + 1: os anos recentes da arte brasileira, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo.

Karin Lambrecht e Marcelo Silveira

Abertura: 24 de junho, das 20h às 23h (para convidados)

19h – conversa como os artistas

Para o público: de 25 de junho a 19 de julho de 2008

De segunda a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 11h às 15h.

Galeria Nara Roesler

Av. Europa, 655 – São Paulo. Tel: 11.3063-2344 Fax: 11.3088-0593

Site: www.nararoesler.com.br / E-mail: galeria@nararoesler.com.br

Por trás dos muros – Horizontes sociais do graffiti

Lançada em parceria entre Editora Peirópolis e o Projeto Quixote, “Por trás dos muros – Horizontes sociais do graffiti”, apresenta as inspirações de jovens que encontraram no spray e no látex instrumentos de transformação social. Organizada por Kátia Menezes, jornalista e editora do Bom-Dia Brasil, e Graziela Bedoian, coordenadora da Área de Ensino e Pesquisa do Projeto Quixote e da Agência Quixote Spray Arte, a obra aborda o universo do graffiti e de seus autores pela experiência do Projeto Quixote, que, que desde 1996, com o patrocínio da Petrobras, cumpre a missão de transformar a história de jovens e famílias em situação de risco, sendo esta uma de suas ferramentas para o exercício da inclusão social.

O prefácio poético é assinado pelo artista plástico Aguilar e pelo coordenador geral do Projeto Quixote, Auro Lescher, que apresenta seu trabalho à frente do Quixote no decorrer do livro. Lescher perpassa o viés sócio-econômico do graffiti ao apresentá-lo também como uma forma de fortalecimento da identidade e da afirmação do sujeito a partir dessa linguagem. Já Viviane Naigeborin, consultora de estratégia e projetos para organizações da sociedade civil – entre elas a Artemísia Internacional e o Museu da Pessoa –, assina o posfácio.

Na convergência entre a fotografia e o texto, o leitor encontrará as diversas linguagens do graffiti e posicionamentos sobre ele. Para compor a narrativa, a jornalista Kátia Menezes realizou entrevistas com terapeutas, educadores e grafiteiros engajados neste campo, a fim de apresentar desde o ingresso desta arte na vida de crianças, até a experiência da geração de renda – fruto da Agência Quixote Spray Arte.

O conteúdo está dividido em três capítulos: “Identidade Cultural”, “Graffiti Social: Projeto Quixote” e “Graffiti: Viver disso?”, que apresentam a visão dos personagens de forma fragmentária. Os trechos de suas entrevistas formam uma espécie de diálogo sobre o graffiti, suas relações com os grafiteiros, com a cidade e, conseqüentemente com a transformação social.

Em relação às imagens, elas têm uma presença marcante na publicação. Não estão ali apenas para ilustrar situações, mas para compor o diálogo a partir da sua própria força expressiva. Das 136 páginas, 110 têm imagens de graffiti, todos eles produzidos por grafiteiros ligados ao Projeto Quixote em 12 anos de existência.

Destaca-se a imagem que ocupa capa e contracapa, produzida especialmente para o livro por cinco grafiteiros convidados – Cuba, Luís 83, Ota, Pastore, Thug Alone e Vine, sendo que três deles também contribuíram com depoimentos no livro: Cuba, Ota e Pastore. O graffiti da capa foi feito no dia 25 de janeiro de 2008, um presente de aniversário para a cidade. As orelhas e as segunda e terceira capas trazem as imagens do processo de trabalho registrado pelo fotógrafo Caetano Barreira.

Entre os entrevistados, Zilda Rodrigues Ferré, coordenadora do Núcleo Pedagógico do Projeto Quixote; e Roberto Carlos Madalena, coordenador do Programa de Educação para o Mundo do Trabalho, levam a probidade de suas experiências ao texto.

A voz dos grafiteiros está representada por Ota (Otavio Fabro Boemer), artista plástico e professor de Educação Artística; Past (Bruno Pastore), estudante de Arte e Design; Cuba (Marcelo Masaharu Nagatha) e Wolpy, todos ligados à Agência Quixote Spray Arte.

Entrevistas com o cineasta Jon Reiss, diretor do documentário “Bomb It” – sobre a explosão da cultura do graffiti no mundo – e com a urbanista Raquel Rolnik, consultora em política urbana e habitacional, garantem a presença de olhares externos ao Projeto. Da mesma forma, os criadores do Clube de Estilo, Fernando e Fábio Cunha, contribuem com seus depoimentos acerca do trabalho realizado pela Agência na empresa.

Selecionados sete projetos para pitching da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis

Foram selecionados sete projetos nacionais de longa-metragem, com temática infanto-juvenil, para participar do pitching organizado pela 7 ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis. A comissão julgadora, formada por Andrés Lieban, animador, Helder Dacosta, distribuidor internacional, e Luiza Lins, diretora da Mostra, aponta a alta qualidade de todas as 20 propostas inscritas.

Os selecionados são: “Quem Tem Medo de Fantasma” (Ananã Produções, RJ), “Eu e meu guarda-chuva” (Conspiração Filmes, RJ),”Restos de Deus Entre os Dentes” (Set Produções, PE), “As Aventuras do Avião Vermelho (Armazém de Imagens, RS)”, ‘Tainá, o desenho animado” (Sincrocine Produções Cinematográficas, RJ), “História Antes de Uma História” (Núcleo de Animação de Campinas, SP) e “Bisa Bia e Bisa Bel” (Diler & Associados, RJ).

O pitching é uma parceria da Mostra com a distribuidora internacional Tropical Storm Entertainment e com o Festival Internacional de Cinema para Crianças e Jovens de Mälmo (BUFF), na Suécia. O vencedor do pitching receberá da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura passagens aéreas para participar do principal Fórum de Financiamento do setor na Europa, que acontece durante o Festival Internacional de Mälmo, em março de 2009.

Para chegar lá, os produtores dos sete projetos defenderão suas idéias no dia 29 de junho, dentro da programação da Mostra, para um júri formado também por Annette Brejner e Lennart Ström, diretores do Fórum de Financiamento escandinavo, que estarão em Florianópolis especialmente para o pitching.

De acordo com a diretora da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis, Luiza Lins, trata-se de um grande momento para o cinema infanto-juvenil. “É uma semente muito especial que estamos plantando na área, um passo inédito e extremamente importante no incentivo à produção de cinema infanto-juvenil”, explica.

A 7ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis vai exibir mais de 80 produções entre os dias 27 de junho e 13 de julho, na capital catarinense. A previsão é de reunir um público de mais de 25 mil crianças. Durante a programação vai acontecer também o IV Encontro da Mostra, com o tema “Audiovisual Infantil: mercado estratégico”.

Mais informações: www.mostradecinemainfantil.com.br

“CORPOTOPIAS” – mostra individual de Ana Kesselring

Dando seqüência ao seu trabalho de mostrar o melhor da gravura contemporânea, a Galeria Gravura Brasileira inaugura a exposição “Corpotopias” com gravuras e desenhos de Ana Kesselring produzidos na França depois que a artista ali chegou há um ano e meio, com bolsa da Fundação Armando Álvares Penteado, até o momento, quando desenvolve seu projeto de  Mestrado na Universidade Paris I.

Nestas obras a artista cria a partir de imagens de corpos humanos e de animais vindas da História Natural. Estas imagens são desconstruídas originando novas criaturas, híbridos de nós mesmos que questionam o desaparecimento do corpo enquanto identidade. As obras são impressas em vermelho, cor do sangue e da vida, sobre papel artesanal do Nepal.


Abertura: 24 de junho, terça-feira, 19h00 às 23h00

de 24 de junho a 02 de agosto de 2008
Galeria Gravura Brasileira
segunda a sexta-feira, 10/18h, sábado, 11/14h.
rua dr. Franco da Rocha, 61, Perdizes, São Paulo.
f.11.3624.0301 e 3624.9193
estacionamento gratuito no local