Archive for the ‘Dança’ Category

Cursos de ballet em SP

BALLET CLÁSSICO PULSARTE III
+ MÓDULOS, CURSOS EXTRAS E MOSTRA

Programação especial para desenvolvimento técnico e artístico!

Data: 19 a 31 de Janeiro de 2009 – 2ª. a sábado
Mostra: dia 30/01 – sexta-feira, 19 às 22h ( traga sua coreografia pronta!) * ver regulamento.
Carga Horária: 60 horas com certificado
Investimento:
Curso 2 semanas (integral): 1. R$ 300,00 a vista; 2. 2x R$ 155,00 (27/11/08 e 27/12/08); 3. 3x R$ 110,00 (27/11/08, 27/12/08 e 27/01/09)**
Curso 1 semana (parcial): R$ 220,00 a vista. ***
Aula avulsa: R$ 40,00/h
Homens: 50% de bolsa.
Local: Pulsarte, arte em movimento.
Rua Pereira Leite, 55 – Alto de Pinheiros (próximo ao metro da Vila Madalena)

** No curso integral estão inclusos os módulos de Iluminação Cênica I, Musicalização I, Percussão I e o curso extra de Repetiteur!
*** No curso parcial estarão inclusos os módulos acima que coincidirem com o sábado escolhido
**** Professores que inscreverem 5 alunos para o Curso de Férias Pulsarte III integral, escolhe um dos quatro cursos acima para fazer gratuitamente!

O Curso de Férias Ballet Clássico Pulsarte III:

• Técnica Clássica
• Alongamento
• Repertório
• Pontas
• Pas de Deux
• Dança Moderna
• Laban / Composição
• História da Dança
• Iluminação Cênica
• Repetiteur
• Técnica Vocal
• Musicalização
• Percussão
• Ensaio de sua coreografia
• Mostra – inscrição gratuita

Módulos e Cursos Extras aos sábados com certificado que podem ser adquiridos a parte:

• Iluminação Cênica Mód.I: 24/01 – 10 às 12h
• Musicalização Mód I: 24/01 – 13 às 15h
• Balanchine: 24/01 – 13 às 15h
• Anatomia Mód.I : 24/01 – 15 às 17h
• Repetiteur: 31/01 – 10 às 12h
• Pedagogia para Professores e Bailarinos Mod.I: 31/01 – 12 às 14hs
• Percussão Mód.I: 31/01 – 13 às 15h
• Balanchine: 31/01 – 13 às 15h
• Prevenção de Lesões Mód.I : 31/01 – 15 às 17h
OBS.: Os módulos e cursos em itálico estão sujeitos a número mínimo de inscritos

Investimento Módulos e cursos extras: R$ 55,00 cada
5% desconto escolhendo 3 ou mais módulos e/ou cursos extras
10% desconto escolhendo 5 ou mais módulos e/ou cursos extras
10% desconto alunos Pulsarte para qualquer quantidade de módulo e/ou curso extra escolhido.

Você aprende com renomados artistas:
• Nadejda Alexandrova
• Wagner Alvarenga
• Uxa Xavier
• Marize Mathias
• Vítor Serikawa
• Simone Sant’Anna
• Gisella Martins
• Cristiane
• Cleide Makena

Inscrições :
Curso de Férias Ballet Clássico Pulsarte III e Mostra: http://www.pulsarte.com.br/news/ficha-de-inscricao-curso-de-ferias-ballet-classico-pulsarte-iiidoc.doc
Módulos e Cursos Extras para não participantes do Curso de Ballet: http://www.pulsarte.com.br/news/ficha-de-inscricao-modulos-e-cursos-extras-janeiro-2009doc.doc

Opções de Hotéis, a reserva deve ser feita com antecedência direto no Hotel:
Grand Hotel: Av.Pedroso de Morais, 569 – tel.: 11 3812-5472 – http://www.grandhotelpinheiros.com.br
Formule 1 Paulista: Rua da Consolação, 2303 – tel.: 11 3123-7755 – http://www.formule1.com.br

Equipe Pulsarte
Mais informações: http://www.pulsarte.com.br
tel.: 11- 3877-1115 / 3868-2008 / 3482-7863

Encontro de Dança e Música com Betty Gervitz e grupo MUTRIB no CCSP

O Centro Cultural São Paulo promove o Encontro de Dança e Música com Betty Gervitz e grupo Mutrib, uma apresentação de danças étnicas, com trilhas de grupos musicais que atualizaram a música folclórica de seus países, e coreografias também revitalizadas. O encontro será nos dias 9 e 16 de dezembro, às 12h, na Sala Adoniran Barbosa, com entrada franca. Ao final do encontro, será oferecida ao público uma aula aberta com música ao vivo, com danças de roda tradicionais, principalmente danças dos Bálcãs. Este projeto pretende aproximar as danças étnicas do público, partindo do princípio que a dança é para todos. Ela pode ser feita com muita técnica, ou sem, pelos mais diversos tipos de corpos, e como é a expressão da cultura pelo movimento, o importante é a convivência com o grupo, criando um sentimento de pertencer, de fazer parte. A partir de sua larga experiência em viagens pelo mediterrâneo, pelo mundo árabe, judaico, cristão, cigano, leste europeu, Betty Gervitz ressalta a importância dos rituais de comemoração da vida, onde se dança de forma comunitária e solidária. O Mutrib, que em turco significa a energia que emana do encontro de músicos, nasceu da convergência dos interesses musicais multiculturais de alguns dos maiores instrumentistas do cenário musical paulistano aliado a experiência do clarinetista americano Stewart Mennin que pesquisa, há mais de 30 anos, o repertório de músicas do mundo. Junto com ele, Gabriel Levy (acordeom) e Ma3 (saxofone e flauta) iniciaram uma pesquisa profunda no repertório do mediterrâneo oriental e Bálcãs. O grupo ainda conta com a participação dos percussionistas Roberto Angerosa, Valéria Zeidan, Éder “O” Rocha e Douglas Felis, além de de Deivid Peleje, na tuba. Músicos: Stewart Mennin, Gabriel Levy, Ma 3, Roberto Angerosa, Valéria Zeidan, Éder “O” Rocha, Douglas Felis e Deivid Peleje. Betty Gervitz Formada em educação física e fisioterapeuta, Betty Gervitz atua como professora, bailarina e coreógrafa, e como fisioterapeuta, atendendo em consultório particular. Trabalha com dança desde 1978, ao lado de Ivaldo Bertazzo. Em 1982, passou a ser sua assistente permanecendo por 12 anos na escola e em seu grupo. Em 1992, junto com André Trindade, criou o Estúdio A & B, escola que teve como objetivo despertar o aluno para o movimento, pretendendo uma saúde holística. Desde então, ministra aulas de dança étnicas, sendo referência neste gênero de dança no Brasil.

SERVIÇO: Danças populares – Encontro de Dança e Música Dias 9 e 16 de dezembro, às 12h Ingresso: gratuito Duração: 30 min. Centro Cultural São Paulo – Sala: Adoniran Barbosa (631 lugares) Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso Informações ao público: 3397-4002 www.centrocultural.sp.gov.br

Dançando à meia noite

Em um palco intimista, pequenas performances exploram, através da sensualidade das danças exóticas, uma fusão dos rituais tribais com uma visão moderna sobre a influência da noite na ascensão do primitivo humano pela dança.

Serão apresentados 12 números representando danças de diversos lugares e estilos em uma releitura com fusões contemporâneas como, Dança do Ventre, Indiana, Hula, Flamenco/sambra, Duelo de Katanas, Jazz, Percussão Africana, Thaitiana, Samba/Chorinho.

Trupe Eksotik

    * Luana Mello

      Campeã Brasileira de Dança do Ventre, pelo Concurso Nacional, em 2006. Com formação clássica e contemporânea. Atua como coreógrafa, artista performática e professora há 8 anos, formando bailarinas no Brasil e em outros países.

    * Isabella Marchioro

      Campeã Brasileira de Dança do Ventre, pelo Concurso Nacional, em 2006. Estuda dança há oito anos e há dois atua como bailarina profissional. Hoje estuda flamenco e ballet clássico.

    * Edgar Diaz

      Dançou profissionalmente em grupos renomados como a Cia. Cisne Negro e o Grupo Corpo. Bailarino clássico e contemporâneo, hoje faz parte das Cias. Sociedade Masculina e Studio 3, apresentando-se regularmente em vários países.

    * Paulo Moraes

      Bacharel em música pela UNISAL-SP, é professor de música no colégio Salesiano – Santa terezinha. Toca em shows por todo o país e entre suas especialidades estão violão, guitarra, cavaco, viola caipira e baixo.

    * Pedro Françolin

      Percussionista árabe, especializado em Derbak, é um dos nomes mais conhecidos nas festas árabes de São Paulo, tocando em casas noturnas e shows por todo o país.

Dias 07, 14, 21 e 28 de novembro as 24Hs
Duração 40 min.
Preço: R$ 30
Vendas somente antecipadas no Teatrix ou pelo site:
http://www.ticketfacil.com.br/home.php?cat=17

Teatrix
Rua Peixoto Gomide, 1066. Jd Paulista – São Paulo
Reservas: 11 3149 4400 ou
http://www.teatrix.com.br

O Grupo Minik Momdó comemora 10 anos com o espetáculo Nus Vestidos

O grupo de dança Minik Momdó comemora 10 anos com uma série de apresentações em novembro. O espetáculo Nus Vestidos, encenado em 1999, ganhou uma nova montagem para a comemoração. A recriação – com direção e concepção de Maria Mommensohn – tem o ritual do casamento como tema para discutir, com ironia e bom humor, a repulsa pelo que não é belo, pelo indesejado e pelo ridículo, fatos sempre camuflados pelas formalidades tão comuns ao ser humano.

O espetáculo estréia no dia 6 de novembro, quinta-feira, na Galeria Olido (Sala Paissandú), às 20 horas, com apresentações também na sexta e sábado (20 horas), além de duas sessões no domingo (às 11h e 19h).  Contemplado pelo IV Programa de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo, Nus Vestidos será apresentado também nos teatros João Caetano (12 e 13/11), Humboldt (22/11), Paulo Eiró (26 e 27/11) e Alfredo Mesquita (2 e 3/12).

Nus Vestidos foi escolhido pelo grupo para registrar esse momento importante de sua história por ser um espetáculo que fecha um ciclo de discussões propostas pelo contínuo trabalho. Falando literalmente das questões humanas – agora sob uma ótica menos densa e mais divertida -, a montagem discute o fato de ser o homem quem mais critica o próprio homem. “Esta é uma maneira de rirmos de nós mesmos, a partir do novo”, comenta Maria Mommensohn. O grupo Minik Momdó já prepara para um novo mergulho, um novo espetáculo que brotou desta incursão no universo intimo do homem, calcado, agora, na abstração: o Oco, que já está sendo preparado para estrear no início de 2009.

Nus Vestidos

No espetáculo Nus Vestidos o ritual do casamento é visto como a metáfora da harmonia dos opostos, partindo de um processo de investigação sobre os conflitos: o grotesco e o belo, os arquétipos sobre o masculino e o feminino, a união dos opostos no casamento, o casamento como contrato social e religioso em oposição ao desejo de união pela manutenção e exploração da sexualidade. Daí os trajes de casamento e a as danças de corte como o minueto (dança barroca) em uma relação de construção e desconstrução.

O casamento é descrito como um ritual de etiquetas barrocas para ocultar uma ordem social, na qual o feminino e o masculino se confrontam e se complementam na manutenção do conceito cristão do “crescei e multiplicai”. O ato sexual, geralmente, é encarado como sujo e degradante e por isso deve ser oculto; quando este é realizado por prazer, é encarado como o oposto de Deus: o demônio, a oposição entre a matéria e o espírito.

A montagem trata de um trabalho de investigação do intérprete a respeito do tema e da “persona”, que tem sua significação em algum objeto plástico. Não existem coreografias fechadas, mas sim uma partitura para cada situação de cena, gerando tensão, vivacidade e presença cênica. Com isso, a direção trabalha com procedimentos que propõem ao intérprete a construção e, em seguida, a desconstrução do movimento. Sob orientação de Osny Junior, o grupo pesquisou neste espetáculo as danças de corte, a pavana, o minueto e a sarabanda para construir as coreografias e a desconstruir os movimentos, segundo a dramaturgia gerada pelo tema.

Nus Vestidos apresenta um olhar bem humorado sobre o que está escondido, camuflado, o que está por detrás dos tecidos que vestem as formalidades, neste caso, os trajes cerimoniosos do casamento. A recriação apresentada – neste momento – revela um novo espetáculo que meche ironicamente na estrutura das relações. A inspiração para a composição das cenas veio também dos filmes do italiano Pasolini, famosos pelas irônicas e grotescas críticas à alienação e aos hábitos conservadores da sociedade.

O figurino, típico dos casamentos, tem forte presença na encenação e fazem o papel cenográfico da montagem, que conta ainda com uma trilha sonora sugestiva e envolvente, utilizando não só da música mecânica como também a execução ao vivo de alguns temas.

Serviço:

Dias 6, 7, 8, e 9 de novembro
Local: Galeria Olido (Sala Paissandú)

Horários: quinta, sexta e sábado (às 20 horas) e domingo (às 11h e 19 horas)
Av. São João, 473 – Centro/SP – Tel: (11) 3331-8399

Entrada franca (ingressos devem ser retirados na bilheteria, 1 hora antes dos espetáculos)

Duração: 60 min – Capacidade: 60 lugares – Desaconselhável para memores de 14 anos – Ar condicionado – Acesso universal.

Ficha Técnica

Espetáculo: Nus Vestidos

Com o Grupo Minik Momdó

Direção geral e concepção: Maria Mommensohn

Intérpretes criadores: Andrés Perez Barrera, Fabíola Camargo, Fernando Delabio, Gustavo Fioretto, Leonardo D’Aquino, Mariana Delgado, Thaís Ponzzoni e Vanessa Carvalho

Músicos: Klaus Wernet e Rodrigo Reis

Assistente de direção: Suzana Schmidt

Figurino: Fernando Delábio

Desenho de luz: Décio Filho

Desconstrução musical: Klaus Wernet e Rodrigo Reis

Preparação / dança barroca: Osny Junior

Preparação corporal: Fabíola Camargo

Operação de luz: João Manuel

Material gráfico: Adriana Hitomi

Fotos: Marcos Gorgatti

Produção: Cassia de Souza

Próximas apresentações:

Dias 12 e 13 de novembro – quarta e quinta – às 20 horas

Teatro João Caetano – R. Borges Lagoa, 650. Vila Clementino/SP – Tel: (11) 5573-3774

Grátis – Bilheteria: 1 hora antes do espetáculo – 438 lugares – Possui ar condicionado e acesso universal – Não aceita cheque – Não possui estacionamento.

Dia 22 de novembro – sábado – às 20 horas

Teatro Humboldt – http://www.teatrohumboldt.com.br

Av. Eng. Alberto Kuhlmann, 525 – Interlagos/SP – Tel: (11) 5686-4055

Ingressos: R$ 15,00 – Bilheteria: 1h antes da apresentação – 432 lugares – Reservas: teatro@humboldt.com.br – Possui ar condicionado e acesso universal – Aceita somente cheque e dinheiro – Estacionamento grátis.

Dia 26 e 27 de novembro – quarta e quinta – às 20 horas

Teatro Paulo Eiró – Av. Adolfo Pinheiro, 765 – Santo Amaro/SP – Tel: (11) 5546-0449

Grátis – Bilheteria: 1 hora antes do espetáculo – 600 lugares. Não possui estacionamento. Possui ar condicionado e acesso universal.

Dias 2 e 3 de dezembro – terça e quarta – às 20 horas

Teatro Alfredo Mesquita – Av. Santos Dumont, 1.770 –  Santana/SP – Tel: (11) 2221-3657

Grátis – Bilheteria: 30 minutos antes do espetáculo – 211 lugares. Metrô Tietê. Possui acesso universal – Não possui ar condicionado. Estacionamento grátis.

Espetáculo de dança passa por dez cidades do interior de São Paulo

O Grupo de Dança 1° Ato comemora 20 anos de trajetória com a remontagem de espetáculos que marcaram as duas décadas de um dos mais duradouros e respeitados nomes da dança contemporânea. A temporada inclui a apresentação de “Quebra-Cabeça” no interior de São Paulo, entre os dias 21 de outubro e 1° de novembro, dentro da programação do Circuito Sesc de Artes 2008. Durante o período, o grupo passa pelas cidades de Olímpia, Novo Horizonte, Taquaritinga, Catanduva, Bebedouro, Américo Brasiliense, Matão, Ibitinga, Jaú e Araraquara.

“Quebra-Cabeça” revela a vocação do grupo em mesclar a dança a outras manifestações artísticas como o teatro e a mímica. O resultado é uma montagem leve e divertida, de fácil identificação com o público. E é para isto mesmo que o espetáculo foi criado: para fazer a platéia rir, divertir-se, brincar, identificar-se.

A interação entre o público e os bailarinos é ponto alto do espetáculo, que tem duração de 30 minutos. “Em cada lugar onde nos apresentamos sentimos um sabor diferente. As pessoas nos procuram e dizem que transmitimos alegria. Algumas querem saber mais coisas sobre a dança”, diz Suely Machado.

Criado em 1989 por Paulinho Polika, o espetáculo tem sido encenado em palcos, ruas, praças e mercados, cumprindo um dos objetivos do 1º Ato, que é o de popularizar a dança. Como é característico da história do grupo, o espetáculo também traz, no vocabulário coreográfico, a contribuição de cada um dos bailarinos que formam o elenco.

Desde que estreou em Belo Horizonte, em 1989, “Quebra-Cabeça” percorreu os palcos das capitais e do interior, de norte a sul do País, além de ter cumprido temporadas em Sevilha, na Espanha e em Buenos Aires, na Argentina.

Trajetória do 1º Ato
Fundado por Suely Machado na década de 80, em Belo Horizonte, o Grupo de Dança 1o Ato é uma companhia respeitada e aplaudida, com trânsito nacional e internacional, acoplada a uma escola que não cessa de alimentá-la com novos talentos. O repertório do grupo inclui 14 espetáculos e temporadas em diversos estados brasileiros e apresentações nos Estados Unidos, Espanha, Portugal, Argentina e Alemanha, além de diversos prêmios regionais e nacionais.

APRESENTAÇÕES GRATUITAS:
Censura Livre

Olímpia
21/10 – 18h
Pça. da Matriz

Novo Horizonte
22/10 – 18h
Pça. Euclides Cardoso Castilho

Taquaritinga
23/10 – 18h
Pça. Valdemar de Ambrósio

Catanduva
24/10 – 18h
SESC Catanduva
Pça. Felício Tonello, 228

Bebedouro
25/10 – 18h
Pça. Barão do Rio Branco

Américo Brasiliense
28/10 – 18h
Pça. do Cruzeiro. Alameda Aldo Lupo. Centro

Matão
29/10 – 18h
Pça. Leônidas Calígola Bastia

Ibitinga
30/10 – 18h
Pça. Rui Barbosa (Coreto). Av. D. Pedro II

Jaú
31/10 – 18h
Pça. da República

Araraquara
01/11 – 18h
SESC Araraquara
R. Castro Alves, 1315

Ballet de L’Opéra de Lyon em SP

Teatro Alfa traz pela primeira vez a companhia de dança francesa Ballet de L’Opéra de Lyon com 47 integrantes, entre 30 bailarinos, para a apresentação de três coreografias de dois dos principais criadores do mundo da dança: Duo, de William Forsythe, Symphonie de Psaumes e Bella Figura, de Jirí Kylián.

O Ballet de L’Opéra de Lyon formou em 30 anos de existência um repertório de dança contemporânea rico na quantidade de coreografias e na variedade de estilos.

As apresentações fazem parte da Temporada de Dança 2008 do Teatro Alfa que terá a estréia da São Paulo Cia. de Dança e La Maison.

Informações
Ballet de L’Opéra de Lyon
Horário: Qui a sáb às 21h. Dom às 18h.
Data: de: 23/10/2008 até: 26/10/2008
Local: Teatro Alfa

Ficha Técnica:

BELLA FIGURA
Criada para Nederlands Dans Theater au Circustheater, Scheveningen, Haia, 12 de outubro de 1995.

Coreografia para nove bailarinos, cenografia e desenho de luz: Jirí Kylián (1995);
Música: Lento e Andante, extraídos de Salomon Rossi Suíte (1975), de Lukas Foss / Ouverture e Quando Corpus, extraídos de Stabat Mater (1736), de Giovanni Battista Pergolesi / Adagio, extraído do concerto Em Ré Menor Para Oboé e Cordas (1716), de Alessandro Marcello / Andante, extraído do concerto Para Dois Bandolins e Cordas RV 532 (aprox. 1720), de Antonio Vivaldi / Grave, extraído do concerto Grosso op.8 n°6 (1698), de Giuseppe Torelli;
Figurinos: Joke Visser;
Direção técnica: Kees Tjebbes.

DUO
Criada para o Ballet de Frankfurt em janeiro de 1996 e no repertório do Ballet de l’Opéra de Lyon desde 19 de setembro de 2003.

Coreografia para dois bailarinos, cenografia, figurinos e desenho de luz: William Forsythe (1996);
Música: Thom Willems.

SYMPHONIE DE PSAUMES
Criada para Nederlands Dans Theater au Circustheater, Scheveningen, Haia, 24 de novembro de 1978. No repertório do Ballet de l’Opéra de Lyon desde 6 novembro de 2002.

Coreografia para 16 bailarinos: Jirí Kylián (1978);
Música: Sinfonia dos Salmos, de Igor Stravinsky;
Cenário: William Katz;
Figurinos: Joop Stokvis;
Luz: Joop Caboort.

Sisudez e alegria, protesto e desbunde – cenas da formação da dança

Dentro do eixo curatorial Correntes Alternadas 68-2008, o Núcleo de Curadoria de Dança do CCSP preparou uma exposição com 49 fotografias e 14 vídeos que fazem parte do Acervo de Dança do Arquivo Multimeios do Centro Cultural São Paulo.

exibição de vídeos: das 14h às 21h
seta informações Terça a domingo, das 10h às 22h – Foyer e Passagens do CCSP
Aviso: no dia 26/10 (domingo), devido às eleições, a exposição estará fechada.

Acervo Mariposa reúne profissionais da dança na Cine Olido

O Acervo Mariposa, projeto com patrocínio da Petrobras, que tem como principal objetivo a criação de uma videoteca pública especializada em dança, realiza no dia 12 de outubro, a partir das 17h, mais uma edição do projeto Lanterninha – VideoDança no Cine Olido, evento que promove encontros com profissionais do mundo da dança e o público da Galeria Olido (Avenida São João, 473, República). O evento é realizado  sempre no segundo domingo de cada mês e a entrada é gratuita.

Contando com a presença de renomados profissionais da área, que participam de um bate-papo após a exibição de vídeos que abordam a linguagem da vídeodança, o encontro tem como objetivo gerar espaço para apresentação da linguagem e disponibilizar ao público este conhecimento. Além disso, no saguão do cinema, antes de cada exibição, haverá uma projeção de trabalhos enviados por artistas e estudantes iniciantes na área.

Nesta edição, o projeto recebe a companhia inglesa DV8 Physical Theatre, que foi criada em 1986 e é reconhecida por sua postura radical e acessível. O grupo questiona a estética e os temas tradicionais da dança, apostando na clareza para transmitir idéias e sentimentos para o maior número possível de pessoas.  A companhia, liderada por Lloyd Newson, produziu 15 espetáculos ao longo destes anos, que foram aclamados pelo público, inclusive em outros países, além de cinco filmes premiados para televisão. Durante o encontro será exibido o premiado filme “The Cost of Living”, que foi dirigido por Lloyd Newson e ganhou inúmeros prêmios pelo mundo. Além disso, o encontro contará com a presença do convidado Diogo 90 e mediação de Graziela Mantoanelli.

O projeto Lanterninha – VideoDança no Cine Olido é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo e o Acervo Mariposa, que é o responsável pelo escolha dos temas de cada encontro, selecionando os vídeos a serem exibidos, além de convidar os profissionais da área para conversar com o público.

Sobre o Acervo Mariposa
Iniciativa pioneira dirigida pela dançarina e teórica Nirvana Marinha e pela atriz Graziela Mantoanelli, o Acervo Mariposa é uma videoteca pública de vídeos de dança.

Sem fins lucrativos, o projeto cultural e educativo, patrocinado pela Petrobras, busca facilitar o acesso gratuito de vídeos digitalizados de vídeos de dança para o público nos moldes estabelecidos pelo Creative Commons (www.creativecommons.org.br), ferramenta de gerenciamento de direitos autorais em um novo sistema de copyleft, no qual o autor escolhe os símbolos de liberação do seu trabalho, limitando a sua distribuição segundo seus interesses. Com esse formato dinâmico e interativo, a iniciativa cria uma rede de comunicação em dança, que propaga e fomenta o conhecimento de uma forma acessível a todos.

Como um meio de solidificar uma política de acesso à videoteca, o projeto realiza importantes atividades culturais ligadas à dança, tais como: o V.H.S. (vídeo homo sapiens), mostra interativa de vídeos com a participação de artistas da dança; o Mariposa nos Festivais, ação em parceria com festivais de dança para promover encontros e debates acerca de vídeo e dança; e Sobredança,  parceria com faculdades de dança e centros de excelência para disponibilização de vídeos para os alunos.

O projeto prevê ainda criação de uma mini-enciclopédia wiki localizada no site do projeto (www.acervomariposa.com.br), cuja função é abrigar tanto o banco de dados dos vídeos coletados, como também um glossário de termos construídos e definidos pela visita das pessoas, assim como ocorre no sistema mundial de enciclopédia Wikipedia.

Serviço:
Laterninha – VideoDança no Cine Olido
A partir das 17h
Cine Olido – Avenida São João, 473, República – São Paulo – SP
Todo segundo domingo do mês
Entrada gratuita

Programação:
12 de outubro de 2008
Companhia DV8 Physical Theatre e Diogo 90
Vídeo “The Cost of Living”, direção de Lloyd Newson, 2007

09 de novembro
BRASIL x ARGENTINA
Compilação Mercosul de artistas latinos que trabalham com a linguagem do vídeodança.
Vídeos que serão exibidos: ”Pelo que é difícil encontra-lhes a saída”, direção de Joana de Godoy Ferraz, 2007; ”Várzea”, direção de Ricardo Iazetta e Estúdio Bijari, 2006; e “Scis”, direção de Silvina
”Mendiolaza” (el escape), direção de KRAPP, 2005.

14 de dezembro
Danc(ç)amera ?
Exibição do trabalho de André Martinez, que é administrador de empresas, especializado em planejamento, gestão de políticas e empreendimentos culturais. É autor do livro “Democracia Audiovisual”, além de possuir trabalhos com vídeos-depoimento de alguns videomakers da área.
Vídeos que serão exibidos: “Instruções para chorar”, direção de André Martinez e Cíntia Domenico, 2007; “In Vivo”, direção de André Martinez, 2007; e “As mortes de Isolda”, direção André Martinez e Cíntia Domenico, 2006.

Prêmio Teatro de Dança

A Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Teatro de Dança, sob gestão da APAA (Associação Paulista dos Amigos da Arte) e com o apoio do Sesc São Paulo, lança no dia 14 de outubro de 2008 o Prêmio Teatro de Dança.

O prêmio, anual, terá o valor de 30 mil reais e o espetáculo ganhador fará uma temporada no TD (Av. Ipiranga, 344, centro, São Paulo, SP). O prêmio terá como finalidade, além de contemplar o melhor espetáculo do ano de 2008 apresentado no estado de São Paulo, fazer um mapeamento das obras e do público que acorre aos espaços de difusão da dança.

Essa premiação tem um formato inédito: quem escolhe o espetáculo vencedor é o público que o assistiu. Qualquer companhia brasileira de dança poderá participar, observando-se algumas regras: apresentar-se em algum teatro no estado de São Paulo e a coreografia (ou uma delas) ter no mínimo 20 minutos. Será levada em consideração a proporcionalidade das salas de espetáculos existentes no estado.

O prêmio será organizado por uma comissão técnica e terá um conselho deliberativo. À comissão cabe a normatização das diretrizes do prêmio, planejamento de ações e acompanhamento do processo, e é composta por um membro da Secretaria de Estado da Cultura e pelos integrantes do Teatro de Dança, quais sejam: diretora, consultora e produtores. O conselho é formado por especialistas da área que acompanharão todo o processo de votação, e será constituído por um representante da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo; um representante do SESC São Paulo; pela consultora do Teatro de Dança e por quatro profissionais de notório saber da área.

A premiação dessa primeira edição do prêmio Teatro de dança será em outubro de 2009.

A dança de Q’eu isse

Milton Nascimento, Bia Lessa, Pedro Pederneiras se unem ao coreógrafo Rui Moreira para criar o novo espetáculo da Cia de dança SeráQuê?

Q’EU ISSE, é o novo espetáculo da Cia de dança SeráQuê?, uma realização do Centro Cultural Banco do Brasil que ficará em cartaz de 16 de outubro a 02 de novembro,  de quinta a sábado, às 19:30h, e domingo, às 18h. Ingressos a R$ 15,00 e R$ 7,00 (meia-entrada).

Um projeto ousado, que vai juntar a poesia da música de Milton Nascimento, em temas inéditos especialmente compostos, a cenografia arrojada de Bia Lessa, a iluminação sensível de Pedro Pederneiras (um dos fundadores do grupo Corpo), e a coreografia inovadora de Rui Moreira, que também assina a direção geral.

Q’EU ISSE é o segundo trabalho de uma trilogia que investiga as noções de identidade da população brasileira, em especial da população afro-descendente. Esta investigação começa já no título do espetáculo. Q’EU ISSE é “que eu fosse” pronunciado numa sonoridade de um dialeto da língua portuguesa, o Mineirês, que por sua vez acentua as influências de origem “Banto” na cultura brasileira.

O espetáculo abordará, através da dança e de maneira contemporânea, algumas trajetórias da população das diásporas africanas e suas relações convergentes, ou cruzamentos históricos, com algumas culturas indígenas que habitam no Brasil. Escravizados no Brasil colonial, os índios e os negros se irmanaram, trocaram tecnologias de sobrevivência e se permearam através de seus hábitos culturais no intuito de conquistar liberdade de expressão. 

Na coreografia foram explorados, além da bagagem gestual dos intérpretes, a estrutura de algumas danças africanas da região do Congo, passos de danças afrobrasileiras e também danças rituais indígenas. Mas o público verá apenas as estruturas básicas delas, resignificadas em uma coreografia contemporânea. “Não colocamos de forma explícita nenhuma dança destas culturas”, avisa o coreógrafo.

A companhia convidou o ator e dramaturgo Adyr Assumpção para desenvolver o roteiro e trabalhar com os dançarinos uma narrativa também teatral. A encenação mistura dança e teatro. Os intérpretes se apropriam de textos inspirados nos livros Sortilégio, de Abdias do Nascimento, e Condenados da Terra, de Frantz Fanon. Outras sonoridades também são emitidas ao vivo pelo elenco que foi preparado pelo músico Kristoff Silva.

A trilha sonora é assinada por Milton Nascimento e tem arranjos de Lincoln Cheib (diretor de percussão do disco Pietá, lançado por Milton em 2002), e Gastão Villeroy que traz elementos do jazz e das sonoridades indígenas.

Ficha técnica
Direção geral – Rui Moreira
Assistente de direção artística – Bete Arenque
Elaboração de roteiro e preparação teatral – Adyr Assumpção
Preparação musical – Kristoff Silva
Preparadores corporais – Bete Arenque e Rui Moreira
Cenografia e figurinos – Bia Lessa
Coreografias – Rui Moreira e elenco
Iluminação – Pedro Pederneiras
Trilha sonora original – Milton Nascimento
Direção e criação musical – Milton Nascimento e Lincoln Cheib
Elenco – Bete Arenque, Charles Davidson, Dewson Mascote, Franciane de Paula, Jussara Ferreira, Leonardo Bboy, Priscila Patta, Rodrigo Peres, Rui Moreira, Vanessa Assis
Patrocínio – Banco do Brasil
Realização – Centro Cultural Banco do Brasil

Serviço
Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – São Paulo
Informações: (11) 3113-3651 / 3113-3652
www.bb.com.br/cultura
Q´EU ISSE
Dança
Temporada: de 16 de outubro a 02 de novembro
Preço: R$ 15,00 e R$ 7,00 (meia-entrada)
Horários:  de quinta a sábado, às 19:30h, e domingo, às 18h
Duração: 55 min
Censura: 14 anos
Capacidade: 125 lugares
Aceita cartões de crédito Visa ou Mastercard, cheque ou dinheiro
Horário de funcionamento da bilheteria: das 10h às 20h
Ingressos antecipados: http://www.ingressorapido.com / (11) 2163-2000
Clientes do Banco do Brasil pagam meia-entrada apresentando o cartão do Banco na bilheteria.
Acesso e facilidades para pessoas com deficiência física // Ar-condicionado // Loja // Café Cafezal e Bistrô (wireless)