Archive for the ‘Quadrinhos’ Category

Seletiva do WCS no Bakudan Anime

A sexta dupla finalista do concurso do WCS 2009 sairá de Manaus

Amazonas prepara-se para receber o grande evento, Bakudan Anime. Uma série de atividades acontecerá durante o fim de semana, dias 20 e 21 de dezembro, em Manaus, como as gincanas olímpicas, a estréia do Paint Ball, J-music ao vivo, games, RPG e exibição de animes.

Uma das principais atrações é o concurso de cosplay, uma seletiva que garantirá a sexta vaga à dupla vencedora para representar o Bakudan Anime na grande final do  WCS 2009  – Etapa JBC Brasil. Esse campeonato reúne as quinze melhores duplas de cosplayers de diversos estados na disputa por uma vaga  para o mundial no Japão. Além disso, as três melhores colocações ganharão uma premiação extra.

E uma superpromoção, as cinqüenta primeiras pessoas que chegarem no sábado, levam um brinde, uma sacola com produtos JBC, uma camiseta do Bakudan e uma cartela de bingo para concorrer a um Gashapon.

Bakudan Anime
Quando: 20 e 21 de dezembro de 2008
Horário: 9h às 18h
Onde: Colégio Objetivo – Av. Recife 1989 – Adrianópolis, Manaus AM.

Seletiva WCS 2009
Quando: Dia 21,  às 16h
Total de vagas: 10 vagas
Mais informações: http://www.bkda.com.br/

Anúncios

Chibata! de Hemeterio & Olinto Gadelha

Os marinheiros do Brasil no começo do século XX não estavam lá muito contentes com as condições de trabalho – especialmente com os castigos físicos, dados na forma de chibatadas aos faltosos. No dia 22 de novembro de 1910, os marinheiros do Encouraçado Minas Gerais, em protesto, tomaram o navio. Logo a insurreição (que ganhou mais tarde o nome de Revolta da Chibata) foi aderida pela tripulação do Encouraçado São Paulo e de outros navios.

Apontando as armas para o Rio de Janeiro, os marinheiros deixaram a população da capital federal em pânico – e o governo acabou cedendo às pressões dos revoltosos. A vitória que obtiveram foi comemorada por pouco tempo, porque a anistia dada pelo governo se mostrou falsa,e o troco dado pelos almirantes foi devastador. Marinheiros que fizeram parte da revolta foram expulsos, presos ou torturados, e centenas acabaram executados sem julgamento.

João Cândido, o líder da revolta, foi mantido preso em uma cela apertada e torturado. Com a saúde abalada e a mente destruída, a Marinha o deixou encarcerado em um hospício. Ele ainda foi expulso da corporação e teve seus registros apagados oficialmente. Foi como se ele nunca tivesse feito parte da Marinha. Jornalistas que tentassem contar a história do Almirante Negro eram ameaçados e intimidados. Mesmo muitos anos depois, na década de 1970, os compositores João Bosco e Aldir Blanc tiveram problemas com a censura da ditadura militar por causa das referências a João Cândido e à Revolta da Chibata.

Só recentemente o nome de João Cândido começou a ser relembrado, graças à liberação de seus arquivos pela Marinha, à inscrição de seu nome no Livro dos Heróis da Pátria e à anistia post-mortem concedida a ele em 2008, 98 anos depois da rebelião que fez tremer o governo recém-eleito do marechal Hermes da Fonseca.

Chibata!, escrito por Olinto Gadelha e desenhada por Hemeterio, se insere nesse contexto ao retratar em quadrinhos os principais acontecimentos da Revolta da Chibata, inclusive aqueles que a Marinha preferia ver apagados, e recuperar a vida do Almirante Negro, um rebelde brasileiro que ousou levantar cabeça contra a servidão e pagou caro por isso. O grito de liberdade dado por ele em 1910 ecoa até hoje.

Título:
Chibata!
Autor:
Hemeterio & Olinto Gadelha
Preço:
R$ 39,90
Formato:
21 X 27 cm
Número de páginas:
224
Código de barra:
9 788576 163039
ISBN:
978-85-7616-303-9
Editora
Conrad

Pré-venda: Calvin & Haroldo – Criaturas Bizarras de Outro Planeta!

Postagem no Correio prevista para 10/11/2008
* Data sujeita a alteração *

Com 40 semanas em primeiro lugar nas listas de mais vendidos com os quatro primeiros títulos, a Conrad continua a publicação completa das histórias de Calvin e Haroldo com o álbum Criaturas Bizarras de Outro Planeta!, quinto título da série publicado pela editora. Criada em 1985, a tirinha foi publicada diariamente, durante dez anos, em mais de 2.400 jornais ao redor do mundo. Os álbuns publicados por Bill Waterson, criador da dupla, venderam mais de 30 milhões de cópias. A Conrad pretende publicar dois livros por ano com as tirinhas de Calvin e Haroldo, seguindo o formato original dos álbuns, com tradução inédita – uma edição definitiva para uma obra que agrada todas as idades.

A tirinha conta a história de Calvin, um hiperativo garoto de seis anos cujo maior amigo é o tigre de pelúcia Haroldo – que ganha vida quando não existe nenhum adulto por perto. Ao lado das fantasias e brincadeiras da dupla, surgem questões sobre política, cultura, sociedade e a relação de Calvin com seus pais, colegas e professores, com a sabedoria que os tolos adultos só conseguem traduzir como ingenuidade.

Autor:
Nascido em 5 de julho de 1958 em Washington, EUA, Bill Waterson ficou famoso mundialmente como o criador da tirinha Calvin & Haroldo. Formado em Ciências Políticas, trabalhou durante seis meses como chargista político no jornal Cincinatti Post. Inspirado em Charles Schulz, começou a publicar as tirinhas de Calvin e seu inseparável tigre de pelúcia em 18 de novembro de 1985 – e parou no dia 31 de dezembro de 1995. Ganhou duas vezes o Reuben Awards, principal prêmio para cartunistas norte-americanos. Waterson também é conhecido por ser relutante no licenciamento de produtos relacionados a Calvin e Haroldo – não existem canecas nem lancheiras oficiais de Calvin, por exemplo.

Os pedidos podem ser feitos na loja da Conrad.

Um conto da imigração japonesa no Brasil em quadrinhos

O Catador de Batatas e o Filho da Costureira

Um neto de escravos, um imigrante japonês – duas histórias com um mesmo final: o futuro do Brasil

A pesquisa realizada abrange não somente a memória resgatada da saga japonesa no Brasil, mas também os cenários culturais, sociais e econômicos tanto do Brasil quanto do Japão. Durante a leitura será possível identificar lugares e personagens reais, fatos históricos e costumes tratados com grande cuidado na construção dessa ficção histórica de narrativa envolvente.

O Catador de Batatas e o Filho da Costureira
Editado pela JBC o livro bilíngue é formado por duas histórias paralelas: a de um imigrante japonês e a de um negro brasileiro neto de escravos. Seus destinos se cruzam em uma fazenda de café no interior paulista quando a primeira leva de imigrantes vindos do Japão chega ao Brasil em 1908.

O Catador de Batatas
IKEMOTO está em fuga de seu próprio passado. Sua família e toda a classe samurai se viu esquecida após a Reforma Meiji. Sem posses e sem futuro, Ikemoto vê o Brasil como um refúgio distante para curar as mágoas de seu passado. Veterano da guerra russo-japonesa (1904-05), foi prisioneiro de guerra no navio Kazan, agora de posse da frota japonesa sob o nome Kasato Maru. A viagem, a chegada, os conflitos com a nova cultura e os desafios presentes, passados e futuros se apresentam em terras brasileiras. Uma lição que nos ensina que nada é para sempre e tudo pode ser mudado.

O Filho da Costureira
ISIDORO não conheceu nem sua mãe nem seu pai. Foi criado por Dona Nâna, costureira de grande coração que acolhe crianças rejeitadas. Vivendo como colonos em uma fazenda de café, Isidoro destaca-se como um garoto esforçado e inteligente, o que o faz ser uma figura deslocada nesse ambiente rústico. Sem muitas perspectivas devido ao preconceito racial, Isidoro e Ikemoto acabam unindo forças e compartilhando problemas que os encaminham para um destino comum: a fuga para uma nova vida, com novos desafios e conquistas. Um futuro que somente um país como o Brasil pode oferecer e cujo resultado, cem anos depois, é um conto comovente de superação e vitórias.

Os autores
Ricardo Giassetti, 36, é jornalista, publicitário e filho de imigrantes italianos. Foi editor, roteirista e tradutor de vários títulos em quadrinhos como Sandman, A Liga Extraordinária, Spawn e X-Men. Seu último trabalho de ficção histórica foi “Down the river”, publicado na antologia Gunned Down – Terra Major, 2006 – EUA. Em 2006 criou a coleção MOJO Books (www.mojobooks.com.br): “se um disco fosse literatura, que história contaria?”

Bruno D’Angelo, paulistano, 31, vive no mesmo bairro que nasceu, Pinheiros. Mora em um prédio sem elevador, sem t.v. e sem garagem. Tem uma bicicleta e mais livros do que consegue ler. Faz quadrinhos desde os 8 anos e publica profissionalmente desde os 18. Já foi finalista do HQ MIX e do EISNER AWARDS e foi premiado no PRÊMIO ABRIL DE JORNALISMO e na BIENAL DE DESIGN GRÁFICO DA ADG. Hoje em dia, corre de manhã, trabalha com sites de tarde e desenha de noite. E é feliz.

O Catador de Batatas e o Filho da Costureira
Autores: Bruno D’Angelo e Ricardo Giassetti
Formato: 135x205mm
Páginas: 112 pgs
ISBN: 978-85-7787-086-8
Preço: R$ 24,90

Kafka em HQ

Um dos mais importantes escritores do século XX volta a ganhar vida nas mãos do quadrinista Peter Kuper. Desista! reúne nove histórias assinadas pelo tcheco Franz Kafka.

São fábulas curtas em que estão presentes todo o absurdo, a dúvida, o vazio e a solidão que se tornaram marcas registradas da obra de Kafka. Mais que uma adaptação literal, Kuper fez uma interpretação da visão de mundo kafkiana, fragmentada e desesperada, e seu traço expressionista (lembrando a xilogravira) realça o tom sombrio e o humor negro das histórias.

A arte de Kuper leva o leitor a uma imersão angustiante na obra de Kafka, tornando seus pesadelos claustrofóbicos em realidade, dando rosto e voz a seus personagens torturados. Os contos de Desista!, todos curtos e de poucos parágrafos, são carregados das imagens desesperadas que se esperam encontrar em um conto do escritor. E Kuper consegue recriar equivalentes visuais das histórias ao mesmo tempo em que evita a armadilha da adaptação literal. O Kafka de Kuper é fiel, mas possui brilho próprio. E seu traço áspero e estilo expressionista dão vida nova aos atormentados personagens arquetípicos de Kafka, como o assassino e sua vítima, em “Um fratricídio”, ou o marinheiro desorientado de “O timoneiro”.

Kuper, como diz Jules Feiffer na introdução, faz “uma série de riffs, improvisações visuais sobre breves manifestações do velho mestre”. O resultado é uma obra ousada, que une o isolamento angustiado de Franz Kafka com a arte ruidosa e estridente de Peter Kuper.

Os Autores:

Franz Kafka nasceu em Praga, em 1883. Se formou em direito e trabalhou durante catorze anos em uma empresa semi-estatal de seguros. Embora a escrita fosse seu único interesse, ela nunca serviu para pagar as contas. Publicou poucas de suas histórias em vida, antes de morrer de tuberculose aos 40 anos, em 1924. Max Brod, grande amigo de Kafka, ignorou o pedido para que os manuscritos fossem queimados após sua morte, e começou a editar e publicar o trabalho no mesmo ano em que ele morreu.

Peter Kuper nasceu em Cleveland, nos EUA, em 1958. Tornou-se conhecido ao assumir a série Spy vs. Spy na revista Mad após a aposentadoria do criador dos personagens, o cubano Antonio Prohías. Kuper é autor de várias obras de quadrinhos, incluindo uma adaptação de A Metamorfose, de Franz Kafka. Suas ilustrações aparecem regularmente no Times, no New York Times e na Business Week. Desde 2006 está morando com a mulher e a filha em Oaxaca, no México, para documentar a situação política local.

Obra-prima dos quadrinhos modernos traz família assombrada pela epilepsia

Muitas vezes, quando se lê uma resenha sobre uma graphic novel qualquer, é comum o leitor deparar-se com adjetivos como “cinematográfica” ou “literária”, tentando aproximar os quadrinhos de outras formas de arte ditas “mais nobres”. Porém, assim como a melhor literatura e o melhor cinema, Epiléptico do francês David B., é uma obra que não poderia ser transposta para outros meios – pertence exclusivamente aos quadrinhos. Com uma narrativa seqüencial entre os sonhos e a realidade, David B. criou, nas palavras do escritor norte-americano Rick Moody (Tempestade de Gelo), “uma história intelectual gráfica (…) um ‘romance de formação’ influenciado tanto por Gide, Foucault, Marlaux e Barthes quanto por Spiegelman”.

David B. (pseudônimo de Pierre-François Beauchard) teve uma infância, até certo ponto, normal. Nascido em 9 de fevereiro de 1959 em Nîmes, uma pequena cidade próxima a Órleans, brincava com seus irmãos e vizinhos – amarrar sua irmã na cadeira como se queimasse Joana D´Arc é um dos divertimentos favoritos de Pierre e seu irmão mais velho, Jean-Christophe.

Porém essa paz é quebrada pela chegada do “haut mal” – termo coloquial francês para epilepsia. Jean-Christophe sofre seu primeiro ataque, e a doença começa a afetar toda a família. Enquanto a saúde do irmão mais velho começa a deteriorar, os pais arrastam toda a família Europa afora, por uma década, em busca de uma cura para a doença. Decepcionados com as saídas da medicina normal, decidem procurar saídas alternativas, das dietas macrobióticas aos templos Rosacruz. Porém de nada adianta, e a família entra numa espiral, arrastada pela evolução da epilepsia de Jean-Christophe – tudo representado graficamente no engenhoso traço de David B. Epiléptico é repleto de metáforas visuais – a epilepsia é retratada, inicialmente, como uma espécie de dragão chinês com o corpo infinito, e quando Pierre, mais velho, começa a compreender melhor a natureza das convulsões do seu irmão, o monstro transforma-se em um aspecto do próprio Jean-Christophe.

David B. explora a linguagem dos quadrinhos com maestria para retratar uma família despedaçada, traduzindo em imagens a angústia, medo e dor – um retrato que, apesar de surreal, é absolutamente fiel a uma infância onde a imaginação transforma-se em delírio, protegendo a sanidade de um garoto de cinco anos arrastado para um cotidiano turbulento e inacessível.

O Autor

David B. é um dos fundadores da L’Association, editora criada por um grupo de quadrinhistas alternativos (entre eles Cristophe Blain e Frédéric Boilet) que revolucionou o panorama dos quadrinhos franco-belgas no início dos anos 90. Nessa época, David ganhou notoriedade com histórias curtas sobre sonhos e pesadelos, compiladas nos álbuns Lê Cheval Blême e Les Incidents de la Nuit. Em 1996 deu início à publicação de Epiléptico, obra que lhe rendeu reconhecimento internacional e um prêmio de melhor roteiro no Festival de Angoulême em 2000. Em 2005, recebeu o prêmio Ignatz como Artista Destaque.

Trecho de Epiléptico:
http://www.lojaconrad.com.br/trecho/epileptico_1_p1.asp

Título:
Epiléptico – Volume 2
Autor:
David B.
Tradutor:
Idalina Lopes
Preço:
R$ 44,90
Número de páginas:
208 páginas

Participe do documentário sobre Calvin & Haroldo

Bill Waterson parou de publicar suas tiras de Calvin & Haroldo há mais de dez anos, mas a fama da dupla mais divertida dos quadrinhos não pára de crescer – no Brasil, os álbuns de Calvin são freqüentadores assíduos das listas de livros mais vendidos. Nos EUA, terra natal de Waterson e de Calvin, começa a ser rodado o documentário Dear Mr. Waterson. A idéia dos produtores do filme é mostrar a gigantesca influência que Calvin & Haroldo têm em seus fãs ao redor do mundo. Todo fã da tirinha de Waterson tem a chance de participar do filme – começando a partir da página do filme no site Facebook.

Estórias Gerais, de Flavio Colin, chega às livrarias

Álbum com dois mestres dos quadrinhos brasileiros traz história do sertão mineiro inspirada por Guimarães Rosa

Estórias Gerais é uma fábula brasileira, um épico passado no sertão mineiro, uma história de conflitos, traições, romances e descobertas, aliando nossos mitos e lendas à mais profunda realidade nacional, reunindo o expressivo traço do mestre Flavio Colin com o refinado argumento de Wellington Srbek.

Produzido em 1998, o álbum ganhou tradução e publicação espanhola em 2006 (Edicions De Ponent). Chega agora ao grande público em edição especial, com papel reciclado (com o apoio cultural da indústria de papel Miguel Forte S/A), uma estória nova colorida e um depoimento inédito de Colin.

Na década de 1920, dois grupos de bandoleiros se enfrentam no vilarejo de Buritizal, à margem oeste do rio São Francisco, no norte de Minas Gerais.O bando de Manoel Grande se vê frente a frente com o de Antonio Mortalma, que aterroriza a população local. No encalço dos dois, está o coronel do Exército Odorico Pereira. Mortalma, diz o povo, se não é o próprio Demo, na certa tem parte com o Coisa-Ruim. E o jovem jornalista Ulisses de Araújo, enviado da capital ao sertão para apurar a estória do terrível Mortalma, vê-se metido no meio do conflito.

Estórias Gerais presta homenagem a cada um dos mestres das nossas artes – de Guimarães Rosa a Dias Gomes, passando ainda por Suassunas, Buarques de Hollanda, Cabrais de Melo Neto, traduzindo a nossa tradição de grandes contadores de histórias para os quadrinhos, no sofisticado roteiro de Srbek. Roteiro que ganha vida nas mãos de Colin, com seu traço personalíssimo, dinâmico e detalhado, revelando um Brasil que é, ao mesmo tempo, mito e realidade.

Os Autores

Wellington Srbek (Belo Horizonte, 1974), roteirista e editor independente, formado em História e pesquisador de quadrinhos com doutorado em Educação, é ganhador de cinco prêmios HQ Mix e de dois prêmios Angelo Agostini.

Flavio Colin (Rio de Janeiro, 1930-2002) começou a atuar em quadrinhos na década de 1950 e já teve seus trabalhos publicados na Bélgica, na Itália, na Espanha e em Portugal. Foi três vezes ganhador do prêmio HQ Mix e duas vezes agraciado com o Angelo Agostini.

Leia um trecho de Estórias Gerais aqui: http://www.lojaconrad.com.br/trecho/estorias_p1.asp

Título:
Estórias Gerais

Autores:
Flavio Colin (arte) e Wellington Srbek (roteiro)

Preço:
R$ 24,00

Editora:
Conrad

Número de páginas:
160 páginas